A hora dos embates

10 de agosto de 2020 Off Por Luiz Geraldo Mazza
Compartilhe:

Choques intrapoderes terão continuidade principalmente entre o Executivo, aí entra junto a Procuradoria Geral da República, e o Judiciário no caso das fake news que levou a interdição de contas de bolsonaristas do Facebook e Twitter por ordem do ministro Alexandre de Moraes. Além disso teremos o exame pelo colegiado da decisão de Edson Fachin que, contestando decisão do presidente do STF, restabeleceu a integridade documental da Lava Jato com a força-tarefa.

Entre outras demandas teremos o retorno à prisão de Fabrício Queiroz e da sua mulher e a lembrança no caso do casal que fez depósitos na conta da primeira dama num total de R$ 89 mil em cheques, sequência das investigações da ´´rachadinha´´ de Flavio Bolsonaro.

Verba da internet

Nas circunstâncias atuais em que se torna maior a imposição educacional via online, a pasta da Educação não se empenha o suficiente em levar internet às escolas públicas, tanto que até agora liberou 16% dos R$ 224 milhões anunciados no ano passado, chegando a 10.876 escolas das 70 mil previstas. Também os R$ 135 milhões programados para 2020 não foram empenhados, tendo o ministério argumentado que preferiu executar o orçamento vigente para chegar a 38 mil escolas. Redes de ensino indicaram que não receberam os recursos.

Ratinho na eleição

Há tudo para que Ratinho Júnior, governador do Paraná, como o presidente Jair Bolsonaro, deixe para envolver-se em eleições apenas no segundo turno. Em Curitiba além de Rafael Greca há Ney Leprevost, que até dias atrás era seu secretário de Justiça, levam Ratinho a não tomar decisão. E Curitiba, como na primeira eleição da cidade em 1954, vai ter vários pretendentes como o Delegado Francischini, o deputado federal Gustavo Fruet (vaga disputada possivelmente também pelo deputado estadual Goura Nataraj), os deputados federais Luciano Ducci e Christiane Yared, o médico João Guilherme do Novo, o ex deputado federal João Arruda do MDB, Paulo Opuszka do PT e Diego Xavier do Psol, primeiro gay assumido a entrar na disputa na história de Curitiba. De todos o postulante de maior empuxe é o Delegado Francischini que como secretário de Segurança de Beto Richa comandou massacre de sindicalistas no Centro Cívico e algum tempo depois mostrando rápida recuperação foi o maior dos votados para deputado estadual.

Lava Jato eleitoral

Quando se decidiu que a maior parte dos processos de corrupção fosse parta a área eleitoral havia o argumento de que a falta de formação adequada para o direito criminal fosse um peso difícil de remover. Pois hoje um juiz de São Paulo, Marco Antonio Vargas, está à frente de casos polêmicos envolvendo os cardeais do tucanato como Geraldo Alckmin e José Serra, mas também Paulo Skaf do MDB e Paulinho da Força. É o braço eleitoral da Lava Jato.

Até na bola

A pandemia já vinha afetando a programação do futebol e mais ainda quando nos habituou à força ao espetáculo sem público para evitar contaminação e agora tivemos a suspensão de um  jogo do campeonato nacional entre Goiás e São Paulo pelo fato de o time da casa estar minado com a Covid 19 e argumentava-se que a persistir o problema o Goiás não disputaria a sua segunda partida contra o Athlético Paranaense na Arena da Baixada. Pelo mesmo motivo foi adiada a partida da série C entre o Imperatriz do Maranhão e o Treze de Campina Grande.

Compartilhe: