No último dia de 1983 Luiz Geraldo Mazza presta homenagem, em sua coluna no jornal Indústria & Comércio, ao poeta e publicitário Jamil Snege, autor da mensagem Meu Paraná eu brigo, do governo Richa.

8 de agosto de 2019 Off Por Redação
Compartilhe:

No último dia de 1983 Luiz Geraldo Mazza presta homenagem, em sua coluna no jornal Indústria & Comércio, ao poeta e publicitário Jamil Snege, autor da mensagem Meu Paraná eu brigo, do governo Richa. Sob o título “Anúncio Macho”, o texto do jornalista avalia “o tom épico e macho do anúncio” mostrando que a “dosagem dos elementos emocionais, telúricos e poéticos com os da racionalidade”, levam à “definição da face confiante de um povo que pretende afirmar a sua identidade no fazer e no traçar o Paraná.” Declamada pelo ator Othon Bastos, a mensagem se transformou em um hino de amor pelo Paraná. (pesquisa de Selma Suely Teixeira para o livro Luiz Geraldo Mazza e Eloi Zanetti comunicadores do Paraná, de sua autoria)

O meu Paraná eu faço./No cabo de uma enxada/No volante de um caminhão/Na escola em construção/No risco de uma estrada/O meu Paraná eu traço./Sem desânimo e sem cansaço/Vou semeando este chão,/ Vou aboiando o gado/Colhendo a espiga madura/Tirando da terra a feitura/Nem que seja de um naco de pão./O meu Paraná eu planto./O pedaço que me cabe/Seja de noite ou de dia/No campo ou na cidade/Sol quente, maré fria/O meu pedaço eu garanto./Na fábrica, na oficina/No escritório, na usina/Não tem tempo ruim,/Geada ou serração/Enchente ou estiada/Na ponta da madrugada/Já estou cuidando de mim,/ Que importa se a vida é dura…/Amanso ela na canga/Transformo usura em fartura/Meto os peito, dou castigo/O meu Paraná eu brigo./Por isso eu digo, irmão/Tome conta deste chão/Garanta o seu pedaço/Assuma o seu quinhão./ O Paraná somos todos/Cada qual com sua parte/Seu ofício, sua arte/Repartindo o mesmo pão. 
(Indústria & Comércio, 31 de dezembro de 1983.p.3)


Compartilhe: